Mondadori Store

Trova Mondadori Store

Benvenuto
Accedi o registrati

lista preferiti

Per utilizzare la funzione prodotti desiderati devi accedere o registrarti

Vai al carrello
 prodotti nel carrello

Totale  articoli

0,00 € IVA Inclusa

A magia que eterniza uma obra como Ligações perigosas (1782), de Pierre-Ambroise-François Choderlos de Laclos (1741-1803), está em sua atualidade através dos tempos, em sua universalidade e em sua capacidade de postular com antecipação conceitos apenas muito mais tarde consagrados, nesse caso, as ideias de Freud. A primeira edição, de 1782, com dois mil exemplares, esgotou-se em apenas duas semanas; seguiu-se nova impressão e, naquele ano, houve quinze (!) edições piratas. "Nenhum romance dos tempos atuais", escreveu um contemporâneo, "teve sucesso tão estrondoso." Naquele tempo, o sucesso da obra foi considerado como "escândalo", tanto chocaram as maldades e as motivações psicológicas mais que mesquinhas da Marquesa de Merteuil e do Visconde de Valmont em suas conquistas amorosas. [...] O libertino Laclos seria finalmente consagrado cerca de 170 anos após a publicação de sua obra, quando passou a ser considerado um "clássico" de leitura obrigatória nas universidades francesas. As contínuas adaptações de Ligações perigosas - como ópera por Claude Prey (1974 e 1980), como peça para a televisão por Charles Brabant (1982 e 1985), e para o teatro por Heiner Müller (1985) e Christopher Hampton (1988), e como filme por Stephen Frears (1988, baseado na peça de Hampton) e Milos Forman (1989), e outras mais - comprovam a vitalidade e o apreço dessa obra nas últimas décadas. Trecho do posfácio de Fernando Cacciatore de Garcia

Dettagli

Generi Romanzi e Letterature » Classici

Editore L&pm Editores

Formato Ebook con Adobe DRM

Pubblicato 11/02/2016

Lingua Portoghese

EAN-13 9788525433763

0 recensioni dei lettori  media voto 0  su  5

Scrivi una recensione per "Ligações perigosas"

Ligações perigosas
 

Accedi o Registrati  per aggiungere una recensione

usa questo box per dare una valutazione all'articolo: leggi le linee guida
torna su Torna in cima